Categoria

Consumo Consciente

Categoria

O consumo consciente, além de gerar benefícios à vida no planeta e a toda a sociedade, pode gerar benefícios imediatos em sua qualidade de vida. Algumas pequenas atitudes no dia a dia podem trazer bem-estar ao seu bolso e à sua saúde, proporcionando uma vida mais tranquila no futuro. A ideia aqui não é a de que você deve abrir mão de todos os pequenos prazeres, mas, ao adquirir algum bem ou serviço, vale a pena refletir um pouco e questionar como aquela aquisição irá torná-lo(a) mais feliz. Listamos abaixo algumas ideias: Transporte Conheço muita gente que pega o carro para ir à padaria, que fica a menos de 1 quilômetro de distância, e depois anda 4 quilômetros na esteira. Ah, claro! Há também aqueles que nem andam na esteira e reclamam que não têm tempo para fazer exercícios. Além de gastar combustível e acelerar o desgaste do automóvel, a…

Uma importante iniciativa impulsionada pelas marcas Pacífico, San Luis, Wong e Metro está aliando reciclagem com causa social no Peru. Por lá, garrafas PET estão sendo transformadas em uma ponchila, que nada mais é do que uma mochila com um poncho embutido. Para a produção de uma unidade, são necessárias 80 garrafas PET. A ação, que faz parte da campanha “Yo fui botella”, conta com a ajuda da população, que entrega as garrafas PET em diversos pontos de coleta espalhados pelas cidades peruanas. A iniciativa surgiu devido à grande evasão escolar que ocorre durante as épocas mais frias no Peru. Cidades localizadas no alto dos Andes, como Puno, Cusco e Arequipa, são castigadas pelo frio intenso, e as crianças, por não terem roupas apropriadas para o inverno, deixam de frequentar as aulas. Com a ponchila, as crianças conseguem guardar todo o material escolar na mochila e, nos dias mais frios,…

A iniciativa Menos 1 Lixo busca incentivar a prática do consumo consciente, sugerindo a troca de copos descartáveis por um copo retrátil leve e fácil de transportar. Já falamos aqui no blog sobre este projeto, no entanto, três anos após nossa matéria, a iniciativa cresceu, o copo ganhou novo design, novos materiais e mais adeptos. Em 2015, a empresária e ativista Fernanda Cortez lançou um desafio pessoal: diminuir a quantidade de lixo que ela mesma produzia no dia a dia. Como principal iniciativa, ela substituiu os copos descartáveis por um copo retrátil e, segundo ela, durante um ano, economizou 1.618 copos! Após compartilhar sua ideia com amigos e influenciadores, a iniciativa cresceu, foi bastante divulgada pela mídia e o projeto decolou. O primeiro copo idealizado era feito de metal e tinha alguns problemas de vazamento. Foi então que Fernanda teve a ideia de recriar o copo e tornar a produção…

Copos plásticos retráteis já são velhos conhecidos de boa parte da população, porém, a maioria deles tem um problema em comum: o vazamento. Como muitos são produzidos com materiais de baixa qualidade, a vedação torna-se um empecilho e compromete a utilização do produto. A startup Hydaway Bottle resolveu investir nessa área e desenvolveu uma garrafa retrátil prática e bonita que, além de garantir boa vedação, promove a hidratação pessoal mais sustentável e por mais tempo. E com um plus: ainda cabe no bolso! Disponível em dois tamanhos (500ml e 850ml), a garrada retrátil é leve e fácil de ser manuseada. Com uma simples ação, ela passa de 4cm de retração a uma expansão de 15cm ou 20cm, em poucos segundos. O produto vem acompanhado de um case de viagem que facilita o transporte e protege a garrafa. Quando retraída, ela pode ser facilmente guardada na bolsa, na mochila e até…

A poluição plástica é um assunto recorrente nos jornais e demais sites de notícias. A todo momento surgem informações sobre empresas, cidades e até mesmo países que estão investindo em soluções práticas para diminuir o consumo de plástico no mundo. Mas, enquanto estas ações macro são estudadas e planejadas, é muito importante que cada indivíduo reflita sobre suas ações e pense em formas de fazer a diferença. Para começar, que tal repensar o uso do plástico de utilização única? Segundo um estudo realizado pela Race for Water, uma instituição suíça voltada para a preservação da água, todos os anos são produzidos 250 milhões de toneladas de plástico e, deste total, cerca de 35% do plástico descartado foi usado uma única vez por apenas 20 minutos. Pense nos canudos que você costuma utilizar nos refrigerantes, sucos e demais bebidas… E o copo plástico, que mata a sede e depois vai direto…

Surfistas são eternos apaixonados por mares e oceanos. Em busca da onda perfeita, eles costumam deslizar sobre as águas fazendo manobras corajosas. Com a contínua movimentação dos mares, muitos resíduos acabam chegando às praias e, com isso, desviar do lixo torna-se um desafio a mais. Por terem contato direto com a natureza, os praticantes de surfe conhecem bem os males que a poluição traz para o meio ambiente. Mas, além de adotar práticas mais sustentáveis no dia a dia, será que os surfistas poderiam utilizar produtos que causem menos impacto? A Green Minds é uma loja on-line brasileira de produtos para surfe que surgiu com a proposta de oferecer opções sustentáveis para quem curte boas ondas. Entre os produtos comercializados, estão camisas feitas com algodão orgânico ou a partir de garrafas PET, pranchas de diferentes tipos e formatos, confeccionadas com madeira ou cortiça, e alguns acessórios, como parafina ecológica, chave…

A cidade de Amsterdã é mundialmente conhecida por duas peculiaridades: a excelente infraestrutura para os ciclistas e seus lindos canais. Com mais de 100 quilômetros de extensão, os canais de Amsterdã são o grande chamariz da cidade e atraem turistas do mundo todo. As águas que cruzam a cidade funcionam como avenidas e são apreciadas pelos visitantes que buscam conhecer a região de uma ponta à outra. Apesar de encantadores, os canais, como grande parte dos rios e mares, também sofrem com a poluição. Decidido a fazer a diferença neste cantinho do planeta, o holandês Marius Smit fundou a Plastic Whale, a primeira empresa profissional de pesca plástica do mundo. Inicialmente, a ideia de Smit era construir um barco a partir dos resíduos retirados dos canais de Amsterdã. Hoje, após sete anos da fundação – e muito lixo recolhido –, a empresa já possui uma frota de nove barcos feitos…

A irrigação é responsável pela maior parte do consumo hídrico nacional, já que uma das principais atividades econômicas do Brasil é a agricultura. Segundo a Agência Nacional das Águas (ANA), foram captados 969 mil litros de água por segundo para esse fim em 2016, o que significa 67,2% de todo o consumo no território nacional. O número representa quase o dobro do consumo do segundo colocado da lista, o abastecimento urbano, que exigiu cerca de 488,3 mil litros por segundo no mesmo ano. Olhar para os grandes números do consumo de água do setor agrícola pode ser desmotivador para o consumidor. Frente a um consumo tão gigantesco, será que nós, como indivíduos, somos capazes de fazer alguma diferença? Nesse sentido, é importante perceber que o esforço para produzir produtos fora da estação só existe porque há demanda dos consumidores. Isso significa que os gastos de recursos hídricos para a irrigação…

No dia 1º de agosto, a humanidade terminou com o estoque de recursos naturais para o ano inteiro, de acordo com a Global Footprint Network, uma organização internacional de pesquisa. Essa data é chamada Dia da Sobrecarga da Terra – o momento em que a demanda anual da humanidade em relação à natureza ultrapassa a capacidade de renovação dos ecossistemas terrestres naquele ano. Em outras palavras, a humanidade está utilizando a natureza de forma 1,7 vez mais rápida do que os ecossistemas do nosso planeta podem se regenerar. Isso é como se usássemos 1,7 planeta Terra. A Global Footprint Network calcula o Dia da Sobrecarga da Terra todos os anos usando o cálculo de Pegada Ecológica, que inclui todas as diferentes demandas sobre a natureza, como a de alimentos, madeira e fibras (algodão); absorção de emissões de carbono da queima de combustíveis fósseis; além de construções, estradas e demais infraestruturas.…

Em sua quinta edição, a pesquisa realizada pelo Instituto Akatu investigou a evolução do grau de consciência dos brasileiros no comportamento de consumo, além de indicar os principais desafios, motivações e barreiras à prática do consumo consciente. Foram entrevistadas 1.090 pessoas, homens e mulheres, com mais de 16 anos, de todas as classes sociais e de 12 capitais e/ou regiões metropolitanas de todo o País, entre 9 de março e 2 de abril deste ano. Segundo a pesquisa, houve um crescimento significativo no segmento do consumidor “iniciante”, de 32%, em 2012, para 38%, em 2018 – o que mostra que o momento é de recrutamento dos consumidores indiferentes para hábitos mais sustentáveis de consumo. A pesquisa aponta que são 76% os menos conscientes (“indiferentes” e “iniciantes”) em relação ao consumo e que o maior nível de consciência tem viés de idade, de qualificação social e educacional: 24% dos mais conscientes…