Categoria

Reciclagem

Categoria

Você acende a luminária ou aperta o interruptor e escuta um tic. Pronto, queimou a lâmpada. Chegou a hora da troca e descarte do produto, certo? Errado. Mesmo depois de perderem sua utilidade principal de iluminar os ambientes, as lâmpadas não precisam ser jogadas fora. Elas podem servir de suporte para plantas pequenas e enfeitar os espaços em arranjos personalizados. Então, lâmpadas queimadas na decoração é uma boa escolha. Veja algumas dicas: Os formatos diminutos dos bulbos de vidro são perfeitos para virarem minivasos. Quer dar ainda mais charme? Utilize fitas ou barbantes e os deixe suspensos. É possível, ainda, prendê-los com fio de anzol. Por ser praticamente transparente, vai garantir o foco apenas nas flores. Enfeites de mesa também podem surgir a partir de lâmpadas. Colorindo os bulbos com diferentes tonalidades, é possível criar um enfeite diferente e criativo. Há também a opção de transformar a lâmpada em uma…

O Brasil infelizmente ainda não tem uma lei que regulamenta o descarte de medicamentos vencidos. Com o intuito de mudar isso, o Ministério do Meio Ambiente (MMA) abriu nesta segunda-feira, 19 de novembro, uma consulta pública com objetivo de coletar sugestões para criar um sistema de devolução de medicamentos descartados pelo consumidor. Os interessados podem enviar as sugestões sobre o tema até o dia 19 de dezembro. Clique aqui para dar sua opinião. Entre as orientações da minuta do decreto, consta que drogarias e farmácias ficam obrigadas a adquirir, disponibilizar e manter, no interior de seus estabelecimentos, dispensadores contentores de modo a propiciar a existência de pelo menos um ponto de fixo de coleta e armazenamento de medicamentos descartados pelos consumidores para cada 30 mil habitantes. Os pontos de coleta deverão conter os dizeres: “Descarte aqui os medicamentos vencidos, em desuso ou impróprios para consumo”. O texto também traz propostas…

As bicicletas são comprovadamente uma excelente opção de transporte sustentável. Além de promoverem a saúde, por permitirem a prática de exercícios físicos, as bikes evitam a emissão de toneladas de CO2 na atmosfera, contribuindo para a melhora da qualidade do ar. Embora sua estrutura seja bastante durável, os pneus das bicicletas costumam desgastar quando atingem certa quilometragem, obrigando os ciclistas a trocarem por novos. O resultado disso? Uma bike prontinha para novas aventuras e alguns resíduos para descarte. Apaixonado por bikes, o irlandês Mick Davis é um artista plástico que sempre se incomodou com o destino nada correto dos pneus gastos de sua bicicleta. Ele, que já trabalhava esculpindo pedras, sentiu a necessidade de encontrar uma forma mais sustentável de expressar sua arte. Mesclando sustentabilidade com sua paixão pelo ciclismo, surgiu a ideia: usar pneus usados de bicicletas como matéria-prima de suas esculturas. Leia mais: Esculturas são criadas a partir de…

Descartar alimentos simplesmente porque não atendem a um padrão estético é um hábito comum nos supermercados. Mas esta prática, infelizmente, está longe de abranger apenas as grandes marcas. Ao ir à feira, quantas vezes já deixamos de comprar determinada fruta porque ela estava “feia”? Reaproveitar estes alimentos é necessário. Sabendo disso, dois amigos de Roterdã, na Holanda, incomodados com o grande desperdício em sua cidade, tiveram uma ideia muito bacana: produzir couro ecológico a partir de frutas descartadas! Chamado de Fruitleather (couro de fruta, em tradução livre), o couro ecológico é obtido através de um processo simples, que causa muito menos impacto do que a produção tradicional. Após a retirada das sementes, as frutas são amassadas e fervidas a fim de matar as bactérias. Depois, o material é colocado para secar, o que resulta em um produto final muito menos prejudicial para o ambiente e para os animais, que deixam…

Mais barato que os tijolos tradicionais e 100% sustentável. Um projeto arquitetônico de baixo custo, e o melhor de tudo, 100% sustentável. É essa a proposta da empresa de construção civil italiana Presanella Building System. Localizada na província de Breccia, a companhia recicla o plástico que iria para o lixo, transformando-o em tijolos e outros materiais para a construção de casas. O plástico é transformado em diferentes tipos de tijolos para a montagem das paredes, além de outras peças e vigas para a sustentação do telhado. Para construir uma casa de 80 metros quadrados, são necessários mais de 2.500 kg de plástico reciclados. Leia mais: Tijolo é produzido a partir de plásticos retirados dos oceanos Já a fundação e as paredes da casa são compostas também por cimento, isopor e água. O tipo de cimento utilizado aumenta o isolamento acústico e térmico da casa. O sistema ajuda a reduzir os gastos…

O plástico costuma ser apontado como grande poluidor de oceanos, rios e mares, no entanto, outros materiais também contribuem de forma significativa para a poluição de nossas águas.  As redes de pesca, além de poluir, servem como armadilha para os animais marinhos, que acabam presos no emaranhado de náilon e precisam lutar por sua vida. A fim de mudar essa situação, uma empresa norte-americana resolveu investir no reaproveitamento de redes de pesca e, a partir da reciclagem de náilon, produzir skates e óculos de sol. Em 2013, os amigos David Stover, Ben Kneppers e Kevin Ahearn resolveram deixar seus empregos na área de finanças para investir em um negócio que fizesse a diferença para o nosso planeta. Incomodados com a quantidade de lixo que encontravam sempre que iam surfar, os amigos fundaram a startup Bureo, que, na língua dos mapuches, um povo indígena chileno, significa “as ondas”. Mas como eles…

A marca de roupas esportivas Reebok revelou o primeiro produto de sua iniciativa sustentável: o Cotton + Corn, um tênis de milho e algodão orgânico. O modelo chega ao mercado um ano após a marca anunciar o seu plano de produzir um tênis com materiais à base de plantas. O objetivo da Reebok é criar uma alternativa às solas de borracha e espuma, feitas à base de petróleo, usadas nos calçados convencionais. “A maioria dos calçados esportivos é feita usando petróleo para criar sistemas de amortecimento de borracha sintética e espuma”, disse o chefe de inovação da Reebok, Bill McInnis. “Com 20 bilhões de pares de sapatos produzidos a cada ano, essa não é uma forma sustentável de fabricar calçados. Então nós pensamos ‘e se começarmos com materiais que crescem e usarmos plantas em vez de materiais à base de óleo?’”, completou. O modelo NPC UK Cotton + Corn é…

Surfistas são eternos apaixonados por mares e oceanos. Em busca da onda perfeita, eles costumam deslizar sobre as águas fazendo manobras corajosas. Com a contínua movimentação dos mares, muitos resíduos acabam chegando às praias e, com isso, desviar do lixo torna-se um desafio a mais. Por terem contato direto com a natureza, os praticantes de surfe conhecem bem os males que a poluição traz para o meio ambiente. Mas, além de adotar práticas mais sustentáveis no dia a dia, será que os surfistas poderiam utilizar produtos que causem menos impacto? A Green Minds é uma loja on-line brasileira de produtos para surfe que surgiu com a proposta de oferecer opções sustentáveis para quem curte boas ondas. Entre os produtos comercializados, estão camisas feitas com algodão orgânico ou a partir de garrafas PET, pranchas de diferentes tipos e formatos, confeccionadas com madeira ou cortiça, e alguns acessórios, como parafina ecológica, chave…

A cidade de Amsterdã é mundialmente conhecida por duas peculiaridades: a excelente infraestrutura para os ciclistas e seus lindos canais. Com mais de 100 quilômetros de extensão, os canais de Amsterdã são o grande chamariz da cidade e atraem turistas do mundo todo. As águas que cruzam a cidade funcionam como avenidas e são apreciadas pelos visitantes que buscam conhecer a região de uma ponta à outra. Apesar de encantadores, os canais, como grande parte dos rios e mares, também sofrem com a poluição. Decidido a fazer a diferença neste cantinho do planeta, o holandês Marius Smit fundou a Plastic Whale, a primeira empresa profissional de pesca plástica do mundo. Inicialmente, a ideia de Smit era construir um barco a partir dos resíduos retirados dos canais de Amsterdã. Hoje, após sete anos da fundação – e muito lixo recolhido –, a empresa já possui uma frota de nove barcos feitos…

Diminuir o consumo de plástico e enviá-lo para a reciclagem é a opção mais acertada para lidar com o grave problema que este material se tornou para os oceanos e mares. Mas, enquanto isto ainda não acontece, uma boa alternativa é recolher e reaproveitar os materiais que já se encontram nas águas. Algumas marcas, como a Adidas, já adotaram tal estratégia e cada vez mais empresas estão investindo na empreitada. A Gant, por exemplo, transforma plástico retirado do Mar Mediterrâneo em camisas. Em vez de apenas apontar o problema, a empresa sueca viu uma oportunidade de fazer a diferença e criou o Gant Beacons Project, uma linha de camisas sustentável. Através de uma parceria com pescadores do Mar Mediterrâneo, que recolhem o plástico que encontram durante seu trabalho, a Gant investe no upcycle desses materiais para a produção de tecidos para sua linha eco-friendly de camisas. Parceira do projeto, a…